(07.11.2019) Esta quinta-feira (07/11) foi um dia bastante diferente para os novos peritos e técnicos do Instituto Geral de Perícia. Diferentemente da rotina do trabalho que deverão exercer daqui a cerca de dois meses, dos 59 membros do curso de formação, apenas dois tiveram experiência anterior com armas.

A rotina do trabalho dos peritos que prevê a observação, registro, coleta, análise e avaliação de vestígios relacionados ao fato delituoso, deu lugar ao manuseio de armas. Montar, desmontar, limpeza e manutenção, além é claro do exercício de tiro ao alvo para a maioria deles o dia pareceu, no mínimo, estranho a tudo o que se poderia esperar do ingresso na Academia de Perícias.

Durante dois dias, os novos Peritos e Técnicos do IGP receberam uma carga de conhecimentos dos instrutores Subtenente Cirino e Subtenente Edmilson. Foram 18 horas de aula teórica e 20 horas de aula prática, onde segundo o Sub Cirino, eles aprenderam até mesmo os nomes das peças de um revólver calibre 38 e de uma pistola .40.

O curso não trata apenas do manuseio das armas, mas muito especialmente sobre técnicas de defesa, procedimentos de segurança, panes e a responder a uma injusta agressão. O porte a guarda de uma arma de fogo recebeu um capítulo especial no currículo.

 

Os peritos do Estado de Santa Catarina passaram a ter direito ao uso de armas de fogo a partir da promulgação da Lei 15.156/2010. A justificativa é de que, embora responsáveis por atividades preponderantemente técnica laboratorial, também são acionados para atuarem diretamente na cena do crime, num ambiente geralmente complexo e sujeito a toda sorte de ocorrências.

Todos os membros das duas turmas, de acordo com o Subtenente Cirino foram aprovados. “À princípio se mostravam bastante receosos, mas rapidamente se adaptaram com o barulhento ambiente do Estande de Tiros da Polícia Militar”. Destes, apenas um recebeu instrução no Exército Brasileiro durante o serviço militar e outro possui arma em casa. Os demais não tiveram qualquer contato anterior.

A Médica Legista Mariana Vilela Veiga achou superinteressante a experiência e revelou que já havia atirado antes, mas sem munição real. Para ela, o mais importante foi conhecer o volume de regras de segurança que o porte de armas exige.

 

Texto e fotos: Assessoria de Comunicação SSP (ASCOM)

GOVERNO DE SANTA CATARINA
SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA

CENTRO ADMINISTRATIVO DA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA DELEGADA DE POLÍCIA LÚCIA MARIA STEFANOVICH

Avenida Governador Ivo Silveira, nº  1521 - Capoeiras  - Florianópolis-SC  - CEP: 88.085-000.

Atendimento ao Público: 13h às 19h.

 Fone: (48) 3665-8100 - Email: direcaogeral@ssp.sc.gov.br

2019 SSP/SC. Desenvolvido por DTI - Divisão de Tecnologia da Informação

Search